O que faz um Dirigente e Administrador de Organização Religiosa

Profissionais exercendo a profissão de Dirigente e Administrador de Organização Religiosa implementam a missão religiosa, representam, jurídica e legalmente, a instituição, gerenciam operações administrativas e financeiras, coordenam atividades, articulam recursos humanos e materiais, comunicam-se oralmente e por escrito.

Algumas das principais funções da profissão

  • Respeitar o próximo;
  • Demonstrar coerência;
  • Acompanhar o quadro associativo (sócios, membros e mantenedores);
  • Formar comitês;
  • Elaborar plano de ação;
  • Alocar recursos;
  • Saber ouvir;
  • Administrar o patrimônio da organização;
  • Demonstrar organização;
  • Publicar boletins internos e periódicos;
  • Planejar calendário religioso;
  • Atender o público;
  • Aprovar verbas;
  • Gerenciar os serviços contratados de terceiros;
  • Preparar voluntários;
  • Elaborar estatutos;
  • Definir estratégias para divulgar a missão;
  • Definir objetivos e metas;
  • Gerenciar plano de comunicação;
  • Elaborar orçamento;
  • Supervisionar programas e projetos da instituição;
  • Elaborar documentos formais (atas, relatórios, contratos etc.);
  • Desenvolver material de divulgação;
  • Promover ações sociais;
  • Interagir com a comunidade;
  • Buscar apoio institucional;
  • Participar de programas de rádio e tv;
  • Demonstrar tolerância;
  • Representar a instituição junto à mídia;
  • Recrutar voluntários;
  • Promover a formação de voluntários;
  • Conferir documentos formais (atas e relatórios);
  • Participar de campanhas de utilidade pública;
  • Demonstrar capacidade de compartilhar;
  • Mobilizar recursos;
  • Gerenciar equipes;
  • Promover festas e eventos;
  • Elaborar estratégias de ensino;
  • Promover campanhas religiosas, sociais e institucionais;
  • Definir rotinas operacionais;
  • Participar de conselhos políticos e comunitários;
  • Proferir palestras;
  • Organizar comemorações religiosas;
  • Organizar seminários, acampamentos, retiros, cursos;
  • Demonstrar comunicabilidade;
  • Articular parcerias;
  • Formular princípios da organização;
  • Supervisionar a administração de entidades vinculadas à organização;
  • Demonstrar ética;
  • Captar recursos financeiros;
  • Identificar lideranças na comunidade;
  • Representar jurídica e legalmente a instituição;
  • Participar de eventos inter-religiosos;
  • Respeitar a diversidade;
  • Acompanhar a arrecadação financeira;
  • Elaborar estratégias e plano de comunicação da entidade;
  • Demonstrar conhecimento religioso;
  • Avaliar a compatibilidade de princípios e estratégias de gestão com a missão religiosa;
  • Participar de conselhos inter-religiosos;
  • Verificar viabilidade de programas e projetos;
  • Assessorar a elaboração do projeto arquitetônico dos espaços para culto;
  • Estabelecer normas e regras administrativas;
  • Gerenciar as atividades da entidade (administrativas, sociais etc.);
  • Demonstrar sensibilidade social e psicológica;
  • Acompanhar a execução orçamentária;
  • Demonstrar autocontrole;
  • Recepcionar personalidades públicas;
  • Desenvolver ações estratégicas;
  • Administrar conflitos;
  • Articular conselhos da entidade (religioso, consultivo, administrativo);
  • Coordenar grupos de estudos religiosos;
  • Traçar diretrizes;
  • Organizar eventos;
  • Demonstrar amor ao próximo;
  • Visitar projetos e entidades sociais;
  • Administrar o fluxo de caixa;
  • Coordenar equipes de trabalho;
  • Demonstrar carisma;
  • Promover orientação espiritual nas escolas;
  • Organizar equipes;
  • Implementar plano de ação;
  • Indicar representantes;
  • Publicar artigos;
  • Elaborar projetos e programas missionários;
  • Atender órgãos de imprensa;
  • Demonstrar liderança;
  • Pesquisar usos e costumes da região;

Onde o Dirigente e Administrador de Organização Religiosa pode trabalhar

Dirigentes e administradores de entidades religiosas os cargos dessa família CBO podem exercer suas funções como trabalhadores de instituições de caráter religioso, entidades filantrópicas, instituições de assistência social e educacional, centros e comunidades sociais, educacionais e religiosas, congregações e paróquias. São contratados, dependendo do grupo religioso ao qual pertencem, na condição de empregados com carteira assinada, por conta própria, como autônomos ou ainda, como voluntários. Atuam em equipes, com supervisão ocasional, em ambientes fechados e em horários irregulares.

Como trabalhar de Dirigente e Administrador de Organização Religiosa

Em determinadas instituições e entidades religiosas, a função de direção e gestão é exercida por pessoas com formação religiosa profissional. De modo geral, requer-se que os trabalhadores dessa família ocupacional tenham escolaridade de nível superior. O tempo exigido para o pleno exercício das funções é de, no mínimo, cinco anos de experiência profissional.

Quanto ganha um Dirigente e Administrador de Organização Religiosa

O Dirigente e Administrador de Organização Religiosa tem um salário inicial de R$ 1.347,28 podendo chegar a R$ 5.609,69 dependendo da empresa e do tempo de experiência do profissional na área, sendo que R$ 2.476,09 é a média salarial da profissão em todo Brasil.

O piso salarial médio do cargo fica em torno de R$ 2.893,82 de acordo com instrumentos coletivos registrados por sindicatos da categoria na plataforma Mediador - Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho da Subsecretaria de Relações do Trabalho - SRT (acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios que citam Dirigente e Administrador de Organização Religiosa).

Qual a jornada de trabalho do Dirigente e Administrador de Organização Religiosa

O Dirigente e Administrador de Organização Religiosa trabalha em média 40 horas por semana (200 por mês) no mercado de trabalho do Brasil.