O que faz um Analista de Comunicação (teleprocessamento)

Profissionais exercendo a profissão de Analista de Comunicação (teleprocessamento) desenvolvem e implantam sistemas informatizados dimensionando requisitos e funcionalidade dos sistemas, especificando sua arquitetura, escolhendo ferramentas de desenvolvimento, especificando programas, codificando aplicativos. Administram ambiente informatizado, prestam suporte técnico ao cliente, elaboram documentação técnica. Estabelecem padrões, coordenam projetos, oferecem soluções para ambientes informatizados e pesquisam tecnologias em informática.

Algumas das principais funções da profissão

  • Administrar recursos de rede;
  • Elaborar especificação técnica;
  • Negociar alternativas com clientes ou fornecedores;
  • Monitorar performance dos sistemas;
  • Inventariar software e hardware;
  • Comparar alternativas tecnológicas;
  • Definir metodologias a serem adotadas;
  • Adequar soluções a necessidade do cliente;
  • Identificar falhas nos sistemas;
  • Elaborar relatórios técnicos;
  • Administrar perfil de acesso às informações;
  • Participar de fóruns de discussão;
  • Dimensionar requisitos e funcionalidade dos sistemas;
  • Registrar ocorrências;
  • Executar procedimentos para melhoria de performance dos sistemas;
  • Escolher ferramentas de desenvolvimento;
  • Avaliar desempenho do produto;
  • Demonstrar criatividade;
  • Evidenciar concentração;
  • Desenvolver raciocínio abstrato;
  • Demonstrar empatia com público-alvo;
  • Documentar acordo de níveis de serviço (sla);
  • Corrigir falhas nos sistemas;
  • Demonstrar iniciativa;
  • Definir nomenclatura padrão;
  • Demonstrar capacidade de antecipar cenário futuro;
  • Controlar acesso aos dados e recursos;
  • Realizar simulações em ambiente controlado;
  • Especificar procedimentos para recuperação de ambiente operacional;
  • Documentar soluções disponíveis;
  • Trabalhar em equipe;
  • Propor mudanças de processos e funções;
  • Orientar áreas de apoio;
  • Pesquisar padrões, técnicas e ferramentas disponíveis no mercado;
  • Documentar capacidade e performance;
  • Definir requisitos técnicos para contratação de produtos e serviços;
  • Especificar a arquitetura dos sistemas;
  • Construir ambiente de teste;
  • Elaborar propostas técnicas comerciais;
  • Realizar revisões técnicas;
  • Desenvolver arquitetura de sistemas e informações;
  • Demonstrar capacidade de organização;
  • Definir alternativas físicas de implantação;
  • Avaliar proposta de fornecedores;
  • Desenvolver raciocínio lógico;
  • Elaborar estudos de viabilidade técnica e econômica;
  • Demonstrar flexibilidade;
  • Administrar ambiente operacional;
  • Divulgar documentação;
  • Demonstrar capacidade de trabalhar sob pressão;
  • Participar da aprovação de infraestrutura, software e rede;
  • Instalar software;
  • Divulgar solução;
  • Documentar estrutura da rede;
  • Elaborar diagramas (caso de uso, fluxo de dados, mapa de site etc.);
  • Demonstrar capacidade de síntese;
  • Consultar documentação técnica;
  • Realizar auditoria de sistemas;
  • Identificar necessidade do cliente;
  • Analisar funcionalidade do produto;
  • Planejar testes de sistemas e ambientes;
  • Demonstrar senso analítico;
  • Apresentar alternativas de solução;
  • Testar sistemas;
  • Montar protótipo dos sistemas;
  • Configurar software e hardware;
  • Acionar suporte de terceiros;
  • Estabelecer padrões de software;
  • Implantar sistemas;
  • Documentar níveis de serviços;
  • Prestar consultoria técnica;
  • Desenvolver capacidade de memorização;
  • Emitir pareceres técnicos;
  • Participar da definição de níveis de segurança de tecnologia da informação;
  • Avaliar novas tecnologias;
  • Consultar fontes alternativas de informações;
  • Descrever processos (fluxo de atividades);

Onde o Analista de Comunicação (teleprocessamento) pode trabalhar

Analistas de tecnologia da informação exercem suas atividades em qualquer setor da atividade econômica, tais como a indústria, o comércio, os serviços, a agropecuária ou a administração pública. Podem trabalhar em empresas públicas ou privadas, em geral de médio e grande portes. Seu trabalho se desenvolve, majoritariamente em equipe, de forma cooperativa, com supervisão ocasional. Não há predominância de um tipo de vínculo de trabalho: os profissionais podem ser assalariados ou trabalhador por conta-própria e trabalham em período diurno.

Como trabalhar de Analista de Comunicação (teleprocessamento)

Para o exercício profissional dessas ocupações, requer-se curso superior completo, em nível de bacharelado ou tecnologia. Podem, também, obter formação específica por meio de cursos de qualificação, com carga horária entre duzentas e quatrocentas horas. A experiência profissional prévia requerida dos titulares para o exercício pleno das atividades é de um a dois anos, incluindo o tempo de estágio. Em função da inovação tecnológica, a permanência no mercado de trabalho requer atualização contínua dos profissionais.

Quanto ganha um Analista de Comunicação (teleprocessamento)

O Analista de Comunicação (teleprocessamento) tem um salário inicial de R$ 1.606,36 podendo chegar a R$ 7.339,34 dependendo da empresa e do tempo de experiência do profissional na área, sendo que R$ 3.000,00 é a média salarial da profissão em todo Brasil.

O piso salarial médio do cargo fica em torno de R$ 3.655,79 de acordo com instrumentos coletivos registrados por sindicatos da categoria na plataforma Mediador - Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho da Subsecretaria de Relações do Trabalho - SRT (acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios que citam Analista de Comunicação (teleprocessamento)).

Qual a jornada de trabalho do Analista de Comunicação (teleprocessamento)

O Analista de Comunicação (teleprocessamento) trabalha em média 42 horas por semana (210 por mês) no mercado de trabalho do Brasil.

Categoria Profissional: