O que faz um Sambista

Profissionais exercendo a profissão de Sambista os dançarinos tradicionais e populares dançam, sozinhos, em pares ou em grupo com fins ritualísticos, performáticos e espetaculares, pesquisam e estudam, reinterpretam danças tradicionais e populares, criam espetáculos, ministram aulas e inserem seu acervo cultural em diferentes contextos (sociais, pedagógicos e terapêuticos).

Algumas das principais funções da profissão

  • Ministrar aulas para profissionalizar dançarinos e professores;
  • Trabalhar em equipe;
  • Estudar figurino popular e tradicional;
  • Trabalhar as músicas dançadas (dançando, cantando e mixando);
  • Aplicar a dança a contextos terapêuticos;
  • Conhecer os fundamentos e origem da dança (históricos, sociais e religiosos);
  • Transmitir conhecimentos históricos sobre dança tradicional e popular;
  • Pesquisar comunidades, festejos e ambientes específicos de dança;
  • Dominar passos, gestos e movimentos;
  • Preparar o corpo através do calor da fogueira;
  • Aplicar a dança a contextos pedagógicos;
  • Utilizar figurinos próprios á dança;
  • Participar de debates, fóruns, congressos referentes à dança;
  • Utilizar instrumentos musicais adequados e próprios à dança;
  • Executar danças dramáticas;
  • Consultar leis de incentivo a cultura;
  • Utilizar elementos próprios da dança (adereços, objetos, instrumentos, etc);
  • Dirigir a própria apresentação ou a do grupo de dança;
  • Gerenciar a produção executiva;
  • Participar de oficinas e cursos de atualização profissional;
  • Atribuir funções aos diferentes membros da equipe;
  • Dirigir ensaios (dançarino ensaiador);
  • Dar a conhecer os mestres das tradições;
  • Interpretar danças rituais;
  • Desenvolver habilidades para trabalhar com grupos;
  • Estudar música tradicional e popular;
  • Interpretar coreografia;
  • Captar recursos;
  • Avaliar o nível de dificuldade dos passos, movimentos e gestos;
  • Pesquisar passos, gestos e movimentos;
  • Vivenciar a dança;
  • Aprimorar a coreografia;
  • Identificar pluralidade rítmica da dança tradicional e popular;
  • Trabalhar passos, gestos e movimentos;
  • Trabalhar o tempo ritual;
  • Experimentar novos movimentos;
  • Respeitar hierarquias em conformidade com as tradições e conhecimentos;
  • Estudar passos na dança;
  • Desenvolver acuidade auditiva e rítmica;
  • Adaptar vivência à dança a ser realizada;
  • Dançar representando histórias;
  • Gerenciar a produção artística;
  • Realizar oficinas de trabalho;
  • Executar a dança conforme ritmos tradicionais;
  • Estudar gestos na dança;
  • Preparar o corpo através de loas, saudações, ladainhas e cantos;
  • Adequar métodos a diferentes faixas etárias;
  • Explorar possibilidades de movimentos com objetos;
  • Interpretar danças tradicionais;
  • Coordenar movimentos e expressão corporal;
  • Aplicar a dança a projetos sociais, empresariais e institucionais;
  • Demonstrar consciência da responsabilidade do dançarino frente às tradições culturais;
  • Conscientizar comunidades sobre o valor de suas tradições;
  • Estudar movimentos na dança;
  • Divulgar o evento;
  • Participar na definição de políticas e ações culturais através da dança;
  • Transmitir estórias sobre dança tradicional e popular;
  • Preparar o corpo para dançar através do toque dos tambores;
  • Ministrar cursos para profissionais de outras áreas (educadores, terapeutas);
  • Participar de debates sobre políticas públicas relacionadas à dança;
  • Aplicar a dança à ação cultural;
  • Pesquisar figurinos;

Onde o Sambista pode trabalhar

Dançarinos tradicionais e populares os profissionais dançam em lugares públicos, em festas propulares, folguedos, rituais religiosos e apresentações e também em salões, teatros, estúdios de tv etc., Em geral, em grupos, portando vestes, paramentos e objetos apropriados à representação ou dança. São, na quase totalidade, autônomos, e seu calendário de trabalho tende à irregularidade, pois está atrelado àquele das festas, folguedos, rituais e apresentações. Por isso, os profissionais costumam desempenhar outra ocupação simultaneamente. Além de atuarem em atividades recreativas e culturais, podem aplicar conhecimentos e performances da dança popular e tradicional no ensino, em programas sociais voltados para adolescentes e crianças e em trabalhos terapêuticos diversos.

Como trabalhar de Sambista

As ocupações da família são, em geral, aprendidas na prática, junto às comunidades tradicionais e aos grupos que executam as danças populares e tradicionais, muitas vezes desde muito cedo, por meio da participação em festejos, rituais e apresentações. O aprendizado costuma se dar também de forma tradicional, ou seja, via transmissão direta do mestre ao discípulo, como vem sendo feito há gerações. Particularmente no caso das danças populares, o aprendizado costuma se dar por intermédio de cursos informais, de duração variada, em geral, ministrados por dançarinos de renome na sua técnica ou tradição.

Quanto ganha um Sambista

O Sambista tem um salário inicial de R$ 1.100,00 podendo chegar a R$ 4.754,20 dependendo da empresa e do tempo de experiência do profissional na área, sendo que R$ 1.201,45 é a média salarial da profissão em todo Brasil.

O piso salarial médio do cargo fica em torno de R$ 1.884,04 de acordo com instrumentos coletivos registrados por sindicatos da categoria na plataforma Mediador - Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho da Subsecretaria de Relações do Trabalho - SRT (acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios que citam Sambista).

Qual a jornada de trabalho do Sambista

O Sambista trabalha em média 35 horas por semana (175 por mês) no mercado de trabalho do Brasil.

Categoria Profissional: