O que faz um Operador de Triagem e Transbordo

Profissionais exercendo a profissão de Operador de Triagem e Transbordo entregam correspondências, objetos e publicações, organizando e fazendo triagem dos mesmos. Preparam objetos e publicações para entrega verificando a situação e estado físico, conferem cargas, malas, malotes e prestam contas das entregas, coletas e devoluções. Providenciam recebimento e expedição de cargas. Fornecem informações, quando solicitados e, no caso dos carteiros, participam de disseminação de campanhas públicas. Também fazem parte desta família ocupacional os trabalhadores similares que atuam em empresas de encomendas expressas (courier).

Algumas das principais funções da profissão

  • Demonstrar senso de organização;
  • Demonstrar capacidade de comunicação;
  • Anotar justificativa de devolução de objetos e publicações;
  • Demonstrar iniciativa;
  • Separar objetos mal encaminhados;
  • Conferir lacre de contêineres e caminhões;
  • Demonstrar responsabilidade;
  • Emitir aviso de chegada de objetos não entregues;
  • Identificar violação e/ou danificação;
  • Demonstrar cordialidade;
  • Contar objetos coletados;
  • Informar novos endereços ao diretório nacional de endereços;
  • Regularizar assinaturas;
  • Emitir listas de remessa de malotes;
  • Expedir objetos para outras unidades e estados;
  • Providenciar carregamento e descarregamento de veículos (caminhões, automóveis, barcos e aeronaves);
  • Compactar cargas por formato;
  • Ordenar cargas por horário;
  • Retornar objetos e publicações não entregues;
  • Separar objetos por tipos de serviço (simples ou registrado);
  • Coletar contratos especiais;
  • Prestar contas das listas de objetos especiais (loec);
  • Triar objetos por distritos;
  • Conferir pesos e tarifas;
  • Pesquisar tarifas e pesos de contratos;
  • Trabalhar em equipe;
  • Rastrear objetos registrados;
  • Disseminar informações de campanhas públicas;
  • Coletar cargas nas agências;
  • Amarrar objetos e publicações em pacotes ordenados;
  • Demonstrar capacidade de cumprir normas e regras;
  • Demonstrar capacidade de contornar situações adversas;
  • Providenciar listagem e expedição de malas, objetos especiais e registrados;
  • Separar objetos mal endereçados;
  • Demonstrar agilidade física e mental;
  • Ordenar objetos por contratos especiais;
  • Arquivar listas dos carteiros;
  • Separar objetos para devolução;
  • Completar endereços insuficientes;
  • Lançar números de malotes nas fichas de frequência na entrega;
  • Pesar malotes e anotar pesos;
  • Verificar números de registros por destino;
  • Entregar malotes e publicações em horário determinado;
  • Providenciar recebimento e liberação de linhas de transportes;
  • Confrontar lista de objetos registrados com lista de conferencia;
  • Entregar objetos em unidades do correio;
  • Emitir avisos de chegada de objetos;
  • Digitar códigos de malotes;
  • Separar malotes, manualmente;
  • Manter sigilo;
  • Triar objetos de contratos especiais;
  • Separar objetos por unidades;
  • Conferir objetos registrados, simples e especiais;
  • Aplicar orientações de procedimentos de entrega;
  • Demonstrar senso de orientação;
  • Alimentar esteiras com malotes;
  • Carimbar avisos de recebimento (ar);
  • Separar objetos por volume e peso (embaraçoso, semi-embaraçoso e volume normal);
  • Conferir lacre e selo de malotes;
  • Pesquisar endereços incorretos;
  • Recondicionar invólucros danificados;
  • Providenciar recebimento e emissão de notas de despacho;
  • Prestar informações sobre serviços do correio;
  • Lavrar documentos de irregularidade;
  • Demonstrar interesse às oportunidades de treinamento;
  • Entregar objetos de contratos especiais;
  • Arquivar listas de objetos registrados;
  • Prestar informações sobre endereços, quando solicitadas;
  • Fazer acompanhamento de objetos e publicações reclamados (não entregues);
  • Demonstrar capacidade de memorização;
  • Emitir listas de objetos especiais entregues aos carteiros (loec);
  • Reencaminhar objetos e publicações;

Onde o Operador de Triagem e Transbordo pode trabalhar

Trabalhadores nos serviços de classificação e entregas de correspondências, encomendas e publicações o trabalho é exercido em ambientes fechados e abertos, em regime de tempo integral. Para os profissionais dos correios pode haver revezamento de turno em períodos noturnos, domingos e feriados. Os entregadores de publicações iniciam seu turno de trabalho na madrugada que se estende até por volta das 11:00hs. O trabalho interno normalmente é feito em equipe e, o externo, individualmente. O trabalhador está sujeito a variações climáticas e a riscos inerentes à locomoção de cargas e à segurança na entrega de objetos nos mais diferentes tipos de destinos.

Como trabalhar de Operador de Triagem e Transbordo

O ingresso ao emprego de carteiros e operadores de triagem e transbordo dos correios ocorre por concurso para o qual a exigência de escolaridade é de ensino médio para carteiros e adicionalmente, conhecimentos em microinformática para o operador. Após o ingresso há formação profissionalizante, por meio de cursos modulares, oferecidos pelos correios ou empresas de serviços de encomendas expressas (courier). Para os entregadores de publicações é exigido o ensino fundamental e não há exigência de experiência nem de formação profissional.

Quanto ganha um Operador de Triagem e Transbordo

O Operador de Triagem e Transbordo tem um salário inicial de R$ 1.135,36 podendo chegar a R$ 2.513,11 dependendo da empresa e do tempo de experiência do profissional na área, sendo que R$ 1.315,00 é a média salarial da profissão em todo Brasil.

O piso salarial médio do cargo fica em torno de R$ 1.516,92 de acordo com instrumentos coletivos registrados por sindicatos da categoria na plataforma Mediador - Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho da Subsecretaria de Relações do Trabalho - SRT (acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios que citam Operador de Triagem e Transbordo).

Qual a jornada de trabalho do Operador de Triagem e Transbordo

O Operador de Triagem e Transbordo trabalha em média 44 horas por semana (220 por mês) no mercado de trabalho do Brasil.