O que faz um Gerente de Produção e Operações Florestais

Profissionais exercendo a profissão de Gerente de Produção e Operações Florestais definem sistemas, elaboram planejamento operacional e assistem à direção de empresas agropecuárias, pesqueiras, aqüícolas e florestais. Gerenciam equipes, administram a produção e as operações, as atividades de segurança, higiene e saúde do trabalho. Participam de sistemas de gestão ambiental e de qualidade da produção, da promoção do desenvolvimento tecnológico e da interação com a comunidade.

Algumas das principais funções da profissão

  • Analisar projetos de máquinas e equipamentos;
  • Controlar estocagem do produto;
  • Administrar custos de produção;
  • Participar da priorização de investimentos;
  • Demonstrar ética profissional;
  • Analisar histórico de produção;
  • Contratar instituições de pesquisa e consultorias;
  • Participar de eventos técnicos;
  • Divulgar atividades da empresa junto à população local;
  • Facilitar atuação da cipa e cipatr;
  • Zelar pela imagem da empresa;
  • Atender auditoria interna e externa;
  • Coordenar fluxo de informações entre os departamentos;
  • Promover atividades de educação ambiental;
  • Demonstrar comprometimento com o trabalho;
  • Dimensionar insumos;
  • Estabelecer metas de produtividade;
  • Estabelecer metas de eficiência operacional;
  • Demonstrar flexibilidade;
  • Levantar informações de produção;
  • Motivar equipes;
  • Colaborar na elaboração e revisão de normas de qualidade;
  • Elaborar análise de viabilidade econômica;
  • Elaborar procedimentos e instruções técnicas visando minimizar impacto ambiental;
  • Atuar como representante legal da empresa;
  • Implantar novos processos produtivos;
  • Dimensionar mão-de-obra;
  • Tomar iniciativa;
  • Desenvolver sociabilidade;
  • Sugerir inovações tecnológicas;
  • Avaliar requisições de insumos;
  • Participar da definição do plano de carreira;
  • Atender auditoria patrimonial interna e externa;
  • Adequar máquinas e equipamentos à realidade local;
  • Controlar qualidade da produção e do produto;
  • Colaborar na elaboração e revisão de normas de operação;
  • Fornecer informações para a elaboração do plano estratégico;
  • Delegar atribuições;
  • Elaborar relatórios gerenciais;
  • Exercer liderança;
  • Definir necessidade de treinamento;
  • Inspecionar operações de campo;
  • Definir cronograma de investimentos;
  • Identificar impactos ambientais;
  • Demonstrar senso de organização;
  • Implementar atividades sociais junto à comunidade;
  • Analisar ocorrências de doenças ocupacionais;
  • Exigir cumprimento das normas regulamentadas e nrr (n. r. rurais);
  • Acompanhar análise de tendências mercadológicas e tecnológicas;
  • Elaborar orçamento físico e financeiro;
  • Identificar necessidades de contratação e demissão;
  • Levantar informações ambientais;
  • Participar do desenvolvimento de máquinas e equipamentos;
  • Contratar serviços de terceiros;
  • Determinar ações corretivas para o cumprimento de metas de produção;
  • Demonstrar capacidade de resposta;
  • Estimular a criação de programas de melhoria contínua;
  • Avaliar desempenho de subordinados;
  • Controlar volume de produção;
  • Discutir ações e parcerias com órgãos públicos;
  • Analisar indicadores de desempenho;
  • Informar direção sobre problemas emergenciais;
  • Determinar ações emergenciais;
  • Analisar estatísticas de acidentes e incidentes do trabalho;
  • Demonstrar capacidade de comunicação;
  • Demonstrar dinamismo;
  • Propor promoções e penalidades administrativas;
  • Procurar tecnologias;
  • Administrar a comercialização de produtos;
  • Definir ações corretivas;
  • Promover intercâmbios tecnológicos entre empresas do setor;
  • Monitorar legislações ambientais;
  • Definir produto final;
  • Demonstrar resiliência;
  • Implementar programas de segurança e saúde do trabalhador e sua família fora da empresa;
  • Gerenciar programas de controle ambiental;
  • Dimensionar máquinas e equipamentos;
  • Demonstrar versatilidade;
  • Monitorar atividades dos profissionais de segurança e medicina do trabalho;
  • Relacionar alternativas de sistemas operacionais;
  • Estruturar organogramas;
  • Promover melhoras do ambiente de trabalho;
  • Orientar trabalhadores sobre higiene pessoal;
  • Preparar plano de treinamento;
  • Administrar programas de manutenção de máquinas e equipamentos;
  • Desenvolver capacidade crítica;
  • Definir sequência operacional;

Onde o Gerente de Produção e Operações Florestais pode trabalhar

Gerentes de produção e operações em empresa agropecuária, pesqueira, aquícola e florestal trabalho é exercido em instalações agropecuárias, pesqueiras, aqüícolas e florestais, em ambientes abertos, fechados ou em embarcações. Geralmente, na condição de trabalhador assalariado.

Como trabalhar de Gerente de Produção e Operações Florestais

Para empresas de médio e grande porte, essas ocupações são acessíveis a pessoas com curso superior ou com cursos de administração da área específica de aproximadamente duzentas horas-aula. Quando recrutados diretamente para a função, normalmente é exigido entre quatro e cinco anos de experiência na área de produção e operações do setor. A qualificação para o trabalho também pode ser obtida por meio de vivência na área.

Quanto ganha um Gerente de Produção e Operações Florestais

O Gerente de Produção e Operações Florestais tem um salário inicial de R$ 1.587,24 podendo chegar a R$ 10.365,87 dependendo da empresa e do tempo de experiência do profissional na área, sendo que R$ 2.795,72 é a média salarial da profissão em todo Brasil.

O piso salarial médio do cargo fica em torno de R$ 4.510,89 de acordo com instrumentos coletivos registrados por sindicatos da categoria na plataforma Mediador - Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho da Subsecretaria de Relações do Trabalho - SRT (acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios que citam Gerente de Produção e Operações Florestais).

Qual a jornada de trabalho do Gerente de Produção e Operações Florestais

O Gerente de Produção e Operações Florestais trabalha em média 43 horas por semana (215 por mês) no mercado de trabalho do Brasil.