O que faz um Especialista em Conservação de Acervos

Profissionais exercendo a profissão de Especialista em Conservação de Acervos organizam documentação de arquivos institucionais e pessoais, criam projetos de museus e exposições, organizam acervos museológicos públicos e privados. Dão acesso à informação, conservam acervos. Preparam ações educativas ou culturais, planejam e realizam atividades técnico-administrativas, orientam implantação das atividades técnicas. Participam da política de criação e implantação de museus e instituições arquivísticas.

Algumas das principais funções da profissão

  • Planejar a exposição;
  • Gerenciar atividades de consulta;
  • Preparar material de divulgação institucional para diferentes mídias;
  • Disponibilizar os instrumentos de pesquisa na rede internacional de comunicação;
  • Conhecer a legislação da área de atuação;
  • Apoiar as atividades de consulta;
  • Inventariar acervo;
  • Definir especificações de material de acondicionamento e armazenagem;
  • Solicitar manutenção de equipamentos;
  • Proceder com flexibilidade;
  • Determinar conceitos e metodologias de museus e exposições;
  • Participar da elaboração do organograma e fluxograma do museu e do arquivo;
  • Estabelecer procedimentos de segurança do acervo;
  • Trabalhar interdisciplinarmente;
  • Armazenar documentos/acervos;
  • Formular instrumentos de pesquisa;
  • Proceder de acordo com códigos de ética da profissão;
  • Criar estratégias de desenvolvimento de museus e exposições;
  • Criar o projeto museográfico e detalhamento técnico;
  • Montar cadastro de fornecedores e materiais;
  • Elaborar relatório técnico das atividades do projeto financiado;
  • Orientar as políticas do acervo;
  • Participar de conselhos profissionais;
  • Construir estatísticas de frequência e relatórios técnicos;
  • Interagir com o programa curricular nacional;
  • Preparar visitas técnicas;
  • Fiscalizar a reprodução e divulgação de imagens;
  • Participar do planejamento dos programas de prevenção de sinistros;
  • Atualizar-se;
  • Apresentar trabalhos técnicos e científicos;
  • Coordenar exposições;
  • Desenvolver ações educativas e/ou culturais;
  • Atender usuários;
  • Capacitar pessoal técnico-administrativo;
  • Preparar material educativo;
  • Gerenciar empréstimo de acervo;
  • Solicitar compras de materiais e equipamentos;
  • Contatar instituições para sediar exposições;
  • Orientar usuários e funcionários quanto aos procedimentos de manuseio do acervo;
  • Controlar as condições de transporte, embalagem, armazenagem e acondicionamento;
  • Coordenar a montagem da exposição;
  • Formar biblioteca de apoio às atividades técnicas;
  • Criar projeto museológico de museus e exposições;
  • Selecionar documentos para exposição;
  • Sensibilizar gestores e funcionários de entidades públicas e privadas para a importância de arquivos;
  • Participar da formação/capacitação de profissionais de museus/arquivos;
  • Prover bancos de dados e/ou sistemas de recuperação de informação;
  • Construir laudos/pareceres técnicos e administrativos;
  • Acompanhar o desenvolvimento e execução do projeto arquitetônico;
  • Pesquisar materiais de conservação;
  • Evidenciar senso de organização;
  • Determinar discurso expositivo;
  • Coordenar ações educativas e/ou culturais;
  • Negociar recursos e patrocinadores;
  • Solicitar a contratação de serviços de terceiros;
  • Contatar outras instituições e/ou colecionadores para empréstimos;
  • Divulgar o acervo;
  • Desenvolver programas de controle preventivo de infestações químicas e biológicas;
  • Estabelecer diálogo com usuário;
  • Fiscalizar a aplicação de legislação de direitos autorais;
  • Ser meticuloso;
  • Planejar a itinerância da exposição;
  • Administrar prazos;
  • Gerenciar a reserva técnica;
  • Planejar a instalação de equipamentos para consulta/reprodução;
  • Realizar pesquisas relativas ao tema e acervo para a produção de exposições;
  • Planejar a adoção de novas tecnologias de recuperação e armazenamento da informação;
  • Planejar programa/cronograma das exposições;
  • Participar de palestras, convênios e reuniões científicas;
  • Fiscalizar empréstimos do acervo e documentos de arquivos;
  • Acompanhar o deslocamento, embalagem, transporte, desembalagem e montagem do acervo;
  • Escrever trabalhos técnicos e científicos;
  • Desenvolver acuidade espacial;
  • Representar oficialmente a instituição;
  • Manter intercâmbio com profissionais de instituições congêneres;
  • Planejar sistema de recuperação de informação;
  • Planejar ações educativas e/ou culturais;
  • Propor a definição de linhas de acervo museológico;
  • Higienizar documentos/acervos;
  • Diagnosticar o estado de conservação do acervo;
  • Catalogar documentos/acervos;
  • Assessorar o projeto arquitetônico do museu;
  • Providenciar o tombamento de acervos;
  • Elaborar projeto para captar recursos;
  • Representar a informação;
  • Monitorar programas de conservação preventiva;
  • Orientar o usuário quanto ao uso dos diferentes equipamentos e bancos de dados;
  • Monitorar as condições ambientais;
  • Supervisionar contratação de seguro para o acervo;
  • Tomar parte da política de captação de recursos da instituição;
  • Compor dossiê de coleções/acervos;
  • Proceder com criatividade;
  • Desenvolver percepção aguçada;
  • Descrever as características dos acervos;
  • Organizar museus;
  • Participar de comissões técnicas e conselhos de museus;
  • Acondicionar documentos/acervos;
  • Identificar documentos e acervos;
  • Assessorar a implantação de novas instituições;
  • Administrar processos de aquisição e baixa do acervo;
  • Planejar a ocupação das instalações físicas;
  • Orientar estagiários;
  • Redigir a correspondência oficial;
  • Planejar programas de conservação preventiva;
  • Produzir normas e procedimentos técnicos;
  • Realizar o acompanhamento técnico dos projetos financiados;
  • Definir o perfil do museu;
  • Ministrar cursos e palestras;
  • Trabalhar em equipe;
  • Organizar monitorias;
  • Diagnosticar a situação geral do museu;
  • Desenvolver raciocínio lógico e abstrato;
  • Participar da definição de políticas públicas de arquivos/museus;
  • Preparar materiais, atividades e palestras para o público interno;
  • Desenvolver estudos do público-alvo;
  • Supervisionar trabalhos de restauração;
  • Providenciar avaliação financeira do acervo;
  • Produzir vocabulários controlados/thesaurus;
  • Implantar o projeto museológico e museográfico;
  • Desenvolver projeto museográfico da reserva técnica;
  • Negociar parcerias e produtos;
  • Estabelecer estratégias para o público alvo;
  • Prestar contas dos financiamentos;

Onde o Especialista em Conservação de Acervos pode trabalhar

Arquivistas e museólogos os profissionais podem trabalhar em museus públicos ou particulares, em arquivos oficiais dos estados, municípios ou universidades, em centros de documentação vinculados a empresas ou instituições públicas ou privadas, no ensino etc. Desenvolvem suas atividades em equipes com supervisão ocasional, como empregados registrados ou como autônomos. Em algumas atividades, alguns profissionais podem estar sujeitos aos efeitos da exposição a materiais tóxicos e a micro organismos.

Como trabalhar de Especialista em Conservação de Acervos

As ocupações da família requerem curso superior completo na área. Não é incomum, contudo a presença de profissionais com cursos de especialização ou mesmo pós-graduação.

Qual a formação mais comum para a profissão

A formação universitária mais comum para um Especialista em Conservação de Acervos é a formação em Museologia para entrar e atuar no mercado de trabalho atual.

Quanto ganha um Especialista em Conservação de Acervos

O Especialista em Conservação de Acervos tem um salário inicial de R$ 1.499,45 podendo chegar a R$ 7.353,98 dependendo da empresa e do tempo de experiência do profissional na área, sendo que R$ 2.617,16 é a média salarial da profissão em todo Brasil.

O piso salarial médio do cargo fica em torno de R$ 3.508,79 de acordo com instrumentos coletivos registrados por sindicatos da categoria na plataforma Mediador - Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho da Subsecretaria de Relações do Trabalho - SRT (acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios que citam Especialista em Conservação de Acervos).

Qual a jornada de trabalho do Especialista em Conservação de Acervos

O Especialista em Conservação de Acervos trabalha em média 41 horas por semana (205 por mês) no mercado de trabalho do Brasil.

Categoria Profissional: