O que faz um Auditor-Fiscal da Previdência Social

Profissionais exercendo a profissão de Auditor-Fiscal da Previdência Social fiscalizam o cumprimento da legislação previdenciária, constituem créditos da seguridade social, julgam processos administrativos- fiscais, controlam a arrecadação, promovem a cobrança dos créditos lançados, auditam e fiscalizam entidades, fundos públicos e privados de previdência. Podem visitar contribuintes, atender solicitações internas, externas e supervisionar as ações de auditoria.

Algumas das principais funções da profissão

  • Operar aplicativos de informática;
  • Confrontar elementos de débito;
  • Conferir relação de salários de contribuição;
  • Fixar multa em auto de infração;
  • Dar palestras de orientação;
  • Atender usuário interno;
  • Confrontar informações;
  • Controlar arrecadação de segmentos econômicos específicos;
  • Examinar a contabilidade;
  • Localizar empresas;
  • Compor câmaras de julgamento;
  • Oferecer subsídios em mandados de segurança e ações cautelares;
  • Analisar a defesa apresentada pelo contribuinte;
  • Exercer autoridade;
  • Elaborar representação fiscal para fins penais;
  • Analisar acórdão do conselho de recursos da previdência social;
  • Verificar documentos (papel, eletrônicos);
  • Assessorar elaboração de normas;
  • Realizar treinamento (interno e externo);
  • Supervisionar execução dos procedimentos fiscais;
  • Agir com discrição;
  • Apurar fraudes;
  • Acompanhar o desenvolvimento da ação fiscal;
  • Demonstrar perspicácia;
  • Realizar auditoria prévia;
  • Analisar documentação de obras de construção civil;
  • Responder a subsídio fiscal;
  • Comparar os sistemas legal e normativo próprios;
  • Arrolar bens;
  • Verificar existência de convênios;
  • Analisar o recurso apresentado pelo contribuinte;
  • Atender contribuinte por telefone;
  • Autorizar a liberação da certidão negativa de débito;
  • Verificar autenticidade do documento de arrecadação;
  • Identificar ocorrência do fato gerador;
  • Demonstrar fluência verbal;
  • Instruir processos administrativo-fiscais;
  • Monitorar o cumprimento de metas de arrecadação;
  • Oferecer contrarrazões de recursos;
  • Fornecer informações a outros setores de fiscalização;
  • Identificar os regimes de previdência;
  • Calcular débitos;
  • Quantificar a participação dos diversos regimes;
  • Homologar contribuições da empresa;
  • Confirmar regularidade de contribuição;
  • Elaborar despacho decisório;
  • Propor manifestação ministerial em caso de interpretação divergente de norma;
  • Solicitar informação bancária;
  • Trabalhar em equipe;
  • Lançar crédito;
  • Retificar lançamento;
  • Controlar arrecadação bancária;
  • Interpretar laudo técnico;
  • Avaliar resultados;
  • Analisar dados do banco de dados;
  • Identificar corresponsáveis;
  • Fixar metas;
  • Manifestar-se em processo de isenção de cota patronal;
  • Emitir lançamento de débito confessado;
  • Pesquisar em banco de dados;
  • Elaborar decisão-notificação;
  • Apreender documentos;
  • Responder requisições de diligências;
  • Bloquear repasse de recursos do fundo de participação dos municípios;
  • Emitir informação fiscal;
  • Examinar reclamações trabalhistas;
  • Identificar as alíquotas aplicáveis;
  • Efetuar verificação física do número de segurados;
  • Analisar sistemas informatizados da empresa;
  • Responder a convocações judiciais;
  • Arbitrar base de cálculo;
  • Bloquear repasse de recursos do fundo de participação do estado;
  • Representar para desenquadramento de regimes especiais;
  • Conferir o resultado da ação fiscal;
  • Consolidar o resultado da ação fiscal;
  • Identificar sujeito passivo da obrigação;
  • Examinar regimes próprios de previdência;
  • Definir parâmetros;
  • Fiscalizar empresas em regime falimentar;
  • Fiscalizar contribuições de terceiros;
  • Identificar parâmetros de evasão;
  • Analisar restrições à liberação da certidão negativa de débito;
  • Demonstrar eficácia na resolução de problemas;
  • Auditar a rede arrecadadora;
  • Solicitar exclusão do refis-programa de recuperação fiscal;
  • Identificar atividade sujeita à aposentadoria especial;
  • Avaliar a estabilidade do sistema;
  • Orientar o contribuinte;
  • Constatar a existência da empresa;
  • Identificar características do regime de previdência;
  • Decidir sobre restituição de contribuição previdenciária;
  • Verificar discrepâncias existentes;
  • Apurar valores devidos;
  • Identificar base de cálculo;
  • Guardar sigilo;
  • Agir com ética;
  • Demonstrar autoconfiança;
  • Lavrar notificação fiscal de lançamento de débito;
  • Orientar contribuinte quanto ao recolhimento das contribuições devidas;
  • Apurar denúncias;
  • Emitir laudos periciais em processos previdenciários;
  • Promover pré-inscrição do crédito em dívida ativa;
  • Controlar parcelamento de débito;
  • Emitir subsídio fiscal;
  • Apontar divergências legais, estatutárias e/ou atuariais;
  • Fiscalizar o repasse efetuado pela patrocinadora;
  • Lavrar auto de infração;
  • Controlar prazos processuais;
  • Propor revisão de acórdão do conselho de recursos da previdência social;
  • Identificar enquadramento do contribuinte;
  • Verificar o patrimônio da empresa;
  • Encerrar atividades de empresas;
  • Elaborar relatório fiscal;
  • Organizar sistemas de informações cadastrais;
  • Analisar consistência do documento de arrecadação;

Onde o Auditor-Fiscal da Previdência Social pode trabalhar

Auditores fiscais da previdência social são funcionários públicos concursados que atuam em nome do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), realizam atividades internas e externas. As atividades externas consistem em coleta de dados ou informações complementares sobre recolhimento de impostos à Previdência, apuração de irregularidades ou ainda, auditoria. Trabalham de forma individual e eventualmente em equipe, com cotas de visitas a cumprir. Podem estar expostos a grupos de pressão ocasionando estresse.

Como trabalhar de Auditor-Fiscal da Previdência Social

O acesso à vaga nessa ocupação ocorre por concurso público, tendo como exigência formação universitária em qualquer área. O profissional aprovado em concurso recebe treinamento específico de duzentas a quatrocentas horas-aula nas áreas de legislação e contabilidade fiscal.

Quanto ganha um Auditor-Fiscal da Previdência Social

O Auditor-Fiscal da Previdência Social tem um salário inicial de R$ 1.969,32 podendo chegar a R$ 6.116,10 dependendo da empresa e do tempo de experiência do profissional na área, sendo que R$ 3.142,00 é a média salarial da profissão em todo Brasil.

O piso salarial médio do cargo fica em torno de R$ 3.587,49 de acordo com instrumentos coletivos registrados por sindicatos da categoria na plataforma Mediador - Sistema de Negociações Coletivas de Trabalho da Subsecretaria de Relações do Trabalho - SRT (acordos coletivos, convenções coletivas e dissídios que citam Auditor-Fiscal da Previdência Social).

Qual a jornada de trabalho do Auditor-Fiscal da Previdência Social

O Auditor-Fiscal da Previdência Social trabalha em média 42 horas por semana (210 por mês) no mercado de trabalho do Brasil.